25
ago
09

Metodos de Rebaixamento

Metodos de rebaixamento

O método é bem simples, é feita a desmontagem da parte da suspensão do veículo, afim da mola poder ser retirada. Após desmontado, o conjunto é levado para um equipamento que comprime a mola, que é retirada do amortecedor. A mola é cortada, (solda, esmeril ou outro tipo de equipamento) e a ponta que foi cortada é geralmente encapada com uma “mangueira”, para evitar possíveis ruídos. Depois deste processo o conjunto da suspensão é montado novamente. Este trabalho é feito na maioria das oficinas e fica em torno de R$ 70,00.

Tem que se fazer o mesmo processo da desmontagem da suspensão para as molas poderem ser retiradas. As molas são contraídas com a ajuda de um equipamento e são levadas posteriormente para um forno, onde ficam por algum tempo. Depois são retiradas e resfriadas, assim mantem sua compressão. Geramente as molas são resfriadas em um banho de oléo para serem re-temperadas. O processo tem que ser feito por um bom profissional, pois o risco de quebra da mola é maior após ela ser aquecida. O preço fica em aproximadamente R$ 150,00.

Esse método consiste em aquecer dois ou três elos, fazendo-os se juntarem até encostar uns aos outros. Depois de encostados, eles são soldados para não baterem entre si. Essa técnica deixa o carro até que “macio”, se for comparado com o corte das molas. O serviço tem que ser feito por um bom profissional para não comprometer a mola. Esse método pode até ser feito sem a desmontagem do conjunto da suspensão. O preço fica em torno de R$ 100,00 dependendo da forma de aquecimento utilizado.

O telescópio é base de apoio da mola (aquela parte onde a mola fica apoiada). Se esta parte for deslocada para baixo, não será necessário cortar muitos elos para rebaixar o carro. Esse serviço é feito geralmente em carros que tiram mais de 2 elos ao serem rebaixados. Abaixando o telescópio, obtêm-se maior conforto do que apenas cortar os elos da mola. A média de preço é de R$ 190,00 à R$ 450,00 (varia de acordo com a oficina especializada e do serviço prestado).

Neste método, o que é modificado é a rosca superior de fixação. Esta rosca, é aumentada em um torno mecânico que corta a sua aste, fazendo com que o amortecedor suba para dentro do carro, juntamente com todo o conjunto (amortecedor / mola). Não sendo necessário cortar muitos elos para rebaixar o carro. Este método deixa o carro até que confortável, se comparado com o método onde só as molas são cortadas. Preço do serviço aproximadamente R$ 180,00.

21
ago
09

Precauções e cuidados

           As técnicas de Esquentar os elos e Comprimir as molas não são recomendadas segundo muitos profissionais, pois o encurtamento com calor ou corte com solda elétrica alteram a estrutura molecular do aço e seu tratamento térmico, comprometendo assim a vida útil da mola.
           Esses métodos podem (não é sempre que acontece) causar alguns problemas: com a mola aquecida a sua estrutura fica prejudicada (a mola destemperada fica mais frágil) e pode acontecer a deformação ou quebra da mesma. Essa deformação ou quebra pode acontecer por um período de tempo muito curto (em torno de 2 meses) ou até menos, vária de caso para caso.
           Essas e as demais técnicas podem acarretar uma série de problemas como: danificar os amortecedores, danificar os batentes e até mesmo desalinhar o veículo, causando dificuldades para frenagem e dirigibilidade principalmente em curvas e viradas bruscas.
           Lembre-se andar com um carro rebaixado está cada vez mais difícil, pois as ruas são completamente esburacadas além de existirem milhões de lombadas espalhadas por todos os cantos. Ande sempre prestando muita atenção, pois o menor dos buracos pode virar uma verdadeira “cratera” para um carro rebaixado.

  • Sempre faça manutenções periodicas para saber como anda a suspensão do seu carro e manter a segurança do mesmo, se for verificado algum tipo de problema procure soluciona-lo o mais rápido possível.
  • Seja qual for o método utilizado para rebaixar o seu carro, procure sempre colocar amortecedores de competição ou esportivos para adequar a mola ao amortecedor, melhorando um pouco a maciez e o “pula-pula” comuns em carros rebaixados.
  • Manter os pneus do carro um pouco murchos deixam ele mais “macio”. Tome cuidado para não murcha-los demais para não ocorrer uma descalotagem (quando o pneu se solta da roda do veículo).
  • Procure não passar lateralmente em uma lombada (uma roda primeiro e a outra depois) este tipo de procedimento acaba com carro, isto porque todo o peso do carro é posto sobre apenas uma roda, comprometendo toda a suspensão, além de desalinhar todo o carro, fazendo até com que o painel no carro comece a se soltar, por isto procure sempre passar de frente em qualquer lombada.
  • Se você estiver com uma velocidade elevada e avistar um buraco ou uma lombada e não conseguir parar a tempo, não freie sobre o obstáculo, isto poderá piorar ainda mais a situação. Numa situação destas, procure freiar antes do obstáculo e acelerar quando for passar sobre o mesmo, isto o ajudará a preservar a sua segurança e o carro.
21
ago
09

Perguntas de rebaixamento

Um carro rebaixado pode “rachar”?

           Sim, todo carro rebaixado corre este risco (calma não é sempre que acontece), mas você estará correndo este risco tirando apenas 1.0 elo, é claro que o risco será bem maior se tirar 4.0 elos por exemplo. Porém, isto depende muito de onde você anda com seu carro e é claro do próprio carro, pois cada um reagirá diferentemente; uns tem a suspensão mais forte outros mais fraca. O importante é que independente do carro e do método utilizado para rebaixa-lo, é imprencidível ter cuidado e fazer manutenções periodicas para saber como anda a suspensão do seu carro e manter a segurança do mesmo.

 

Qual é o melhor método para se rebaixar um carro?

           Isto é muito relativo, pois cada carro é de um jeito. Do mesmo jeito que uma pessoa se sente melhor de chinelo ou de tênis. Vai de carro pra carro. O melhor mesmo, é ir a uma oficina especializada (com tradição em rebaixar) e pedir auxilio aos mecânicos que poderão te explicar melhor e tirar todas as possíveis dúvidas. Conseguindo assim, escolher a melhor e mais adequada forma de rebaixar o seu carro.

 

Porque o carro rebaixado “pula” e fica mais “duro” do que os outros?

           Isto ocorre porque o cursor da mola do carro rebaixado, é menor do que o amortecedor original. Com isso o amortecedor não trabalha direito, por isto é recomendado sempre que rebaixar um carro, colocar amortecedores esportivos ou de competição para adequar a mola ao amortecedor, melhorando um pouco a maciez e o “pula-pula” comuns em carros rebaixados.

 

Depois de rebaixar o carro tem como levanta-lo novamente?

           É claro que sim, é só trocar as molas cortadas, aquecidas ou comprimidas por molas originais. Caso tenha utilizado outro método, é só trocar as peças esportivas, pelas originais do automóvel. Mas lembre-se, guarde as molas cortadas, aquecidas ou comprimidas que você tinha no seu carro, pois caso queira rebaixa-lo novamente será apenas necessário trocar as molas.

21
ago
09

Rodas Esportivas

Rodas Esportivas

Rodas Esportivas é sem dúvida o assessório mais belo para um automóvel. Mas sua função não se limita apenas a isso.

As também chamadas de ‘rodas de liga leve’, têm no nome sua razão de ser, são mais leves do que suas irmãs de aço, assim elas diminuem o peso do conjunto.

Pneus e rodas tuning de diversas marcas e modelos:

Elas se ajustam melhor às irregularidades do solo, melhorando a performance dos pneus.

Com um peso menor é necessário menos esforço do motor para colocá-las em movimento – e assim o motor anda com mais força.

Em conjunto com pneus de perfil mais baixo e/ou mais largo, rodas de liga leve são acessórios essenciais para se deixar o carro equipado.

Vale a deixa: alterar as características das rodas é perigoso, pois isso mexe com os parâmetros que outras peças do carro trabalham. Na dúvida, consulte alguém especializado para fazer a instalação!

21
ago
09

Dicas sobre como proteger seu carro

Seguros para seu Carro

Contratar um seguro ainda é um negócio complicado para a maioria das pessoas. O desconhecimento que o consumidor tem do seguro, seja ele de qualquer tipo, o transforma em presa fácil para as armadilhas, como as inúmeras “vantagens” oferecidas pelas seguradoras na hora de vender o seu serviço.
Como o seguro, por lei, tem de ser contratado por intermédio de uma corretora, o consumidor precisa estar atento. Escolher uma corretora idônea no mercado é meio caminho andado para evitar problemas futuros.
Com uma boa pesquisa de preços o consumidor poderá constatar a diferença. Sem ela o consumidor corre o risco de pagar de 50% a 200% a mais pelas mesmas coberturas em diferentes seguros.
A escolha de um bom corretor é importante. Ele é quem vai representar o segurado junto à seguradora e providenciar qualquer documentação exigida para indenização.
O interessado em fazer um seguro, qualquer que seja o tipo, deve analisar e avaliar suas reais necessidades para não pagar por coberturas que não serão utilizadas.

Seguro Obrigatório

O DPVAT ( Danos Pessoais de Veículos Automotores e Terrestres), mais conhecido como Seguro Obrigatório, deve ser pago anualmente por todos os proprietários de veículo, junto com o IPVA (Imposto sobre Veículos Automotores) na época do licenciamento e o valor é único para todos os veículos de passeio nacionais ou importados.
É utilizado para ressarcimento e indenização em casos de atropelamento e acidentes com ferimento; ou que resulte em invalidez temporária ou permanente; ou com morte, envolvendo carro ou transporte coletivo – ônibus locais, interestaduais ou internacionais.
No caso de morte a indenização é paga aos dependentes legais – pais, filhos, esposa ou companheira.
A indenização nos casos de invalidez e morte é de R$ 5.081,79. No caso de acidentes com ferimentos e atropelamento, o reembolso é de R$ 1.524,50, para ressarcimento das despesas médicas, se o atendimento for em hospitais particulares.Não há reembolso para hospitais públicos.
O seguro deve ser pago ainda que a vítima não possa identificar o veículo que provocou o acidente. O pedido da indenização é simples, mediante apresentação da cópia do Boletim de Ocorrência expedido pelo Detran, deve -se solicitar em qualquer seguradora associada à Federação Nacional de Seguros ou para o seu corretor seguros. A apresentação do Boletim de Ocorrência é condição básica para reembolso, ressarcimento ou indenização.
O consumidor deve tomar cuidado com grupos especializados em fraudes do DPVAT. Eles abordam às vítimas na porta dos hospitais, pegam procuração para receber o seguro e somem com o dinheiro e/ou cobram até 60% de comissão.
Nunca é demais ressaltar que as seguradoras são obrigadas a atender e ressarcir o beneficiário e se houver recusa, denuncie no Procon.

19
ago
09

Carros Tuning

TUNING
(expressão inglesa traduzida como afinação ou optimização
) ou car tuning (afinação de carros) é um passatempo que consiste em alterar as características de facto de um automóvel a um nível de personalização extrema. No contexto costuma-se imprimir no automóvel um pouco da personalidade do seu dono; está sendo muito usado para agregar valor desportivo aos carros, tornando-se assim, a arte de dar ao carro mais performance, mais segurança, mais beleza, tornando-o diferente e único.

O tuning é aplicável a praticamente todos os componentes de um carro: rodas, pneus, suspensão, alterações no motor, interior, carroçaria, tubos de escape, áudio.
Há quem gaste um valor acima do próprio preço do carro com peças e acessórios, como pára-choques, asas, saias, neon,
sistemas de NO² (óxido nitroso), etc.

Todos estes componentes podem ser revistos de forma a terem um comportamento superior ou um aspecto que torne um carro
“de série” em algo exclusivo e único.
Mas o tuning não deve apenas tornar o carro mais bonito. As alterações feitas, para além de ter preocupações estéticas, devem acrescentar características ao carro de forma a torná-lo mais potente, não desprezando a segurança e o comportamento do carro,
sendo estas as características principais a conseguir.
Normalmente estas alterações inspiram-se na competição, tendo os campeonatos de Super Turismo Europeu, contribuindo significativamente para a disseminação do Tuning em nível mundial. Lançado em 2001, o filme “Velozes e Furiosos”, desencadeou essa tendência pelo mundo inteiro.